Preparação da candidatura

Lembre-se que um bom projeto, com possibilidade de ser financiado não é uma mera calendarização de mobilidades e/ou atividades. Assim, antes de submeter qualquer candidatura deverá ter presente os seguintes aspetos:

  • Realizar um diagnóstico de necessidades visando identificar as principais problemáticas para as quais o projeto a candidatar possa ter relevância;
  • Selecionar de entre as problemáticas que identificou, aquelas em que uma Parceria Estratégica pode contribuir para a sua resolução. Tenha em conta que por maior que seja o aporte financeiro e os recursos humanos disponíveis, um projeto de parceria não consegue responder a todas as problemáticas identificadas;
  • Refletir, após o diagnóstico, se é importante para o sucesso do projeto que a Parceria Estratégica incorpore atividades de formação, ensino ou aprendizagem para os indivíduos das organizações, na medida em que podem acrescentar valor para os objetivos do projeto. Uma abordagem holística permite construir uma resposta mais abrangente através da Parceria Estratégica;
  • Identificar as carências formativas do pessoal docente/formador e não docente/formador e os benefícios de observarem e/ou participarem noutras realidades educativas/formativas;
  • Assegurar os resultados das aprendizagens nos participantes envolvidos nas mobilidades e o seu contributo para a melhoria das práticas pedagógicas e/ou metodológicas nas organizações envolvidas;
  • Planear  as ações subsequentes  motivadas pelos impactes expectáveis nas organizações durante e após o términus do projeto de Parceria Estratégica;
  • Na conceção do projeto, garanta a:
    • A pertinência do projeto, ou seja a adequação dos objetivos às necessidades identificadas;
    • A coerência interna – clara articulação entre os objetivos gerais e os específicos e as atividades planeadas durante a vigência do projeto;
    • A coerência externa – relação do projeto com outras medidas, programas, parcerias que visem colmatar, corrigir e/ou complementar as mesmas necessidades identificadas;
  • Planear a transferência de resultados para outras organizações a nível local, regional, nacional e/ou europeu, através de medidas adequadas de divulgação e disseminação;

Nota: Para informações mais pormenorizadas consulte a grelha de avaliação do “Erasmus+ - Guia do programa”, na pág. 110 e seguintes, disponível aqui.